quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Autor de best-sellers Stephen King anuncia que fará sequência para "O Iluminado"


Do Bol, via Folha Online:

"Dias após ter lançado "Under the Dome" ("Sob o Domo", em tradução livre, ainda não editado no Brasil), o escritor Stephen King anunciou que está trabalhando na sequência de um de seus mais bem-sucedidos romances, "O Iluminado". Segundo o site Torontoist, a declaração foi feita durante uma coletiva para a divulgação de seu novo livro na capital canadense.

De acordo com as informações do site, o enredo traria o menino Danny Torrance já nos seus 40 anos, marcado pelas sequelas emocionais que o trágico episódio no Hotel Overlook provocou. Ele trabalharia com doentes terminais em um hospício, onde sua verdadeira tarefa seria se valer de suas faculdades psíquicas para auxiliar pacientes em suas "passagens para o outro lado". Além disso, faria uns bicos em apostas de corridas de cavalos, explorando seus dons de clarividência.

Apesar de já ter inclusive um título ("Doctor Sleep", ou "Doutor Sono", em livre tradução) para a continuação da obra que foi adaptada para o cinema por Stanley Kubrick, King preferiu não se comprometer em seguir o roteiro que antecipou. "Se eu continuar falando sobre ele, talvez eu não precise escrevê-lo", brincou o autor."

-----------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

A Mais Longa das Noites... Blackout Bop


A luz pisca e se apaga: façam-se as sombras!

O arrepio percorre a espinha,

O medo já se faz, em suma; você grita, que será?

É o terror ou fantasia minha,

O alívio do sonho ou pesadelo na penumbra?


Hórrida noite, noite longa,

De um absoluto escuro,

Coberta pelas trevas sepulcrais; que se alonga

Durante a madrugada, e eu juro

Que mais funesta, até agora, não vi jamais.


E aquelas criaturas,

Engendradas da (própria) noite, como se sabe,

Vêm à vida, agora, e clamam, ademais; pelas ruas,

Becos e nichos, da cidade

Sangue e almas, até não poder mais...


Os gárgulas nas árvores,

Os seres podres, cadáveres exumados,

Os Vampiros e seus iguais; Demônios e Lobisomens,

Inumanos e medonhos, fantasmas exorcisados,

Rastejam e vomitam, nas trevas infinitas, sem paz...


Saem dos lugares mais profundos,

Do imo da escuridão, dos fundos dos esgotos,

Da televisão e dos portais; Zumbis, almas penadas,

Querem possuir, mentes e corpos,

Sacrílegos decompostos, insanos canibais!


No silêncio uma prece faço, só estou, e desarmado;

Queira Deus que lutar eu possa,

Até nos aposentos dos umbrais; De noite ou de dia,

Preparo a estaca, a bala de prata, não importa,

E que meu verbo seja o mais poderoso dentre os mortais!


E enquanto a madrugada avança,

Os ponteiros se adiantam, a tétrica escuridão descerra,

Nas horas mortas espero; Ou o clarão da aurora,

Ou a tumba que me espera, e a noite soturna continua e continua, cheia de mistérios...


Mistérios?


“A Noite é cheia de mistérios”.



Fernando Romano Menezes, 11/11, começado às quase 11

sábado, 24 de outubro de 2009

Revista Rolling Stone lista as 10 melhores trilhas de filmes de terror


Da Rolling Stone:

"Top 10 - As melhores do terror teen


Colegiais perseguidas por psicopatas mascarados, ETs infiltrados na faculdade, vampiros adolescentes em busca de diversão. O terror teen passeia por diferentes universos - quase sempre permeados por estudantes norte-americanas com indefectíveis saias pregadas -, mas a trilha para o medo juvenil fica, na maioria das vezes, no gênero que já foi considerado "coisa do capeta": o rock. (...) Você confere as dez trilhas de filmes de suspense e terror teen preferidas dos nossos editores. De Echo & the Bunnymen a White Zombie, passando pelo jazzista Paul Whiteman, a exceção que confirma a regra.

1º - "People are Strange", do The Doors, pelo Echo & the Bunnymen, em Garotos Perdidos (1987): como aprenderam os garotos do filme, os vampiros também são estranhos.

2º - "Red Right Hand", do Nick Cave, em Pânico (1996): clima dark que deu um contraste interessante ao bem humorado longa de Wes Craven.

3º - "Another Brick in the Wall" (partes 1 e 2), do Pink Floyd, pelo Class of '99, em A Prova Final (1998): o filme nem é grande coisa, mas a música foi uma das últimas gravações de Layne Staley (...), acompanhado por Tom Morello (Rage Against the Machine) e outros.

4º - "Supermassive Black Hole", do Muse, em Crepúsculo (2008): como a autora dos livros, Stephenie Meyer, sempre disse que a banda a influenciou, faz todo sentido.

5º - "Love Rollercoaster", do The Ohio Players, em Lenda Urbana (1998): a música também faz parte de uma lenda urbana: a de que o grito na introdução seria de uma mulher sendo assassinada. Não é verdade.

6º - "Immortaly Insane", do Pantera, no remake de O Massacre da Serra Elétrica (2003): haveria um tema melhor para um massacre?

7º - "Love Hurts", do Nazareth, no remake de Halloween (2007): uma balada romântica improvável para um filme de terror? Sim, mas a parte da dor se aplica.

8º - "Thunder Kiss '65", do White Zombie, em A Noiva de Chucky (1998). Rob Zombie é praticamente um filme de terror.

9º - "Jeepers Creepers", com Paul Whiteman, em Olhos Famintos 2 (2003): você nunca mais vai ouvir esse standard da mesmo forma depois do longa.

10º - "The Horror", do Spacehog, em Jovens Bruxas (1996): um filme marcante dos anos 90, uma banda que sumiu rapidamente. Mas pelo menos o vocalista foi casado com a Liv Tyler."

-------------------------------------------------------------------------------------------------

Comentário: Toda vez que você, leitor, ler uma matéria que comece assim "As 10 melhores músicas de...", "Top 'x' de filmes tal...", pode crer que o que você lerá é uma escolha particular, pessoal. Toda lista é subjetiva. É o caso desta; seus próprios autores já deixam bem claro na introdução da matéria: "Você confere as dez trilhas (...) preferidas dos nossos editores"...

Esclarecido esse ponto, devo dizer que na lista tem coisa boa, mas outras escolhas são incompreensíveis. As 3 primeiras escolhas são ótimas (vá lá, concordo), mas Immortally Insane podia ao menos subir uns dois degraus, assim como Thunder Kiss '65. Deixaria de fora Jeepers Creepers, Supermassive Black Hole, The Horror. Mas como já disse, essa é uma opinião minha.

Terror Teen...
porquê não uma lista com as melhores do Terror mesmo? Tem muita música "muderna" aí... lembremos das mais antigas: como deixar de fora Ramones e seu "Pet Sematary" em "Cemitério Maldito"? Ou AC/DC fazendo toda a trilha sonora para "O Comboio do Terror" (por escolha do próprio Stephen King, fã dos caras), ou Alice Cooper cantando "Teenage Frankenstein" ('The local freak with a twisted mind', diz a letra) na hora em que o Jason ataca em um trailer, em "Sexta-Feira 13, parte 6"?...

Pantera tem outras músicas que entraram em filmes de terror; na trilha sonora do filme "O Corvo", tem "The Badge". Esse filme tem uma das melhores trilhas de filmes de terror já vistas. Em "Contos da Cripta - Os Demônios da Noite" (disponível para download aqui), tem "Cemetery Gates". A título de curiosidade, Phil Anselmo, seu ex-vocalista, também é fã de filmes de terror e fundou a atração temática House of Shock, uma casa mal-assombrada em New Orleans que já foi fechada por ser considerada muito forte (!).
Continuando, há boa trilha no filme "A Volta dos Mortos-Vivos", de 86, que conta com Cramps e Damned, além de outras que entram bem na trama, como Roky Erickson com "Burn The Flames", The Jet Black Berries com "Love Under Will" e uma obscura banda punk chamada Straw Dogs que participa com "Young, Fast, Iranians". Mötorhead já contribuiu com "Hellraiser", que mais tarde foi regravada por Ozzy, e foi tema de uma sequência do filme de mesmo nome; Iggy Pop fez "Freddy's Dead", música que surge especialmente para "A Hora do Pesadelo VI", com passagens bem-humoradas na letra (algumas: 'Don't you fuck with me! Don't you fuck with me' - referindo ao Freddy - 'Why, why, why was I born? Born in this world?'...), Misfits fez uma participação especial em "Bruiser - A Máscara do Terror" com duas músicas para o filme inéditas, e até o nosso Zumbis do Espaço, que compôs a música "Eu Fui Um Zumbi Adolescente", entrou no trash "Crônicas de um Zumbi Adolescente".

Há muitas, muitas outras músicas que podiam entrar facilmente em qualquer Top 10 de Filmes de Terror que se fizesse. Mas como disse Guilherme de Martino em seu Guia de Vídeo - Terror (de 96), "a lista é longa e nossa paciência tem limites"... faça a sua.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

John Landis prepara novo filme de terror




Segundo notícia veiculada pelo Terra, o filme, de nome Burke and Hare, será um terror misturado com pitadas de humor negro - o estilo inconfundível do cabra -, baseado numa história real passada na Escócia em 1820, onde dois homens resolvem começar um estranho negócio: vender cadáveres para um médico, por cerca de 15 libras. Logo que o "estoque" termina, a dupla começa a cometer assassinatos para continuar arrecadando dinheiro. Pelo imdb.com, o filme ainda está em fase de pré-produção.

Ótima notícia, essa. Tantos outros diretores começaram no gênero e logo em seguida pularam direto e sem volta para o esquemão comercial das grandes produtoras... Taí o Peter Jackson que não me deixa mentir. Sam Raimi deu toda pinta de que iria ser um desses, mas sempre retornou ao Terror (para 2010, ele já está produzindo um provável remake de Uma Noite Alucinante; A Pata do Macaco; e para 2011, Uma Noite Alucinante 4, dos mais conhecidos).

Resumindo, talento John Landis tem.
Esperemos, pois.


sábado, 22 de agosto de 2009

Legendas para "Rodas da Morte"...


...alguém tem? É daquele filme que em inglês se chama "Wheels of Terror", de 1990; mezzo suspense, mezzo terror, com um Dodge Charger 74 preto fazendo as vezes de killer car (não confundir com um outro filme, de mesmo nome, feito em 87 e que também é conhecido como 'The Misfit Brigade').

Quem tiver, que passe o link, por favor...

quarta-feira, 24 de junho de 2009

1ª SP Terror


Local: Reserva Cultural -
Avenida Paulista, 900. Térreo Baixo
(entre as estações Trianon Masp e Brigadeiro do metrô)
(11) 3287-3529



Postos de venda de ingressos:

- Reserva Cultural

- Die Hard na Galeria do Rock

Ingresso: R$ 13 (inteira) / R$ 6,50 (meia)

Passaporte: R$ 50
Vale para 10 filmes, exceto para a abertura e encerramento.


Mesa Redonda do Inferno

O Lugar do Cinema Fantástico

Convidados: José Mojica Marins, Jorge Olguin (Os Descendentes), Rodrigo Aragao (Mangue Negro), Christian Saghaard (Fim da Picada).

Moderador: Dennison Ramalho.

Local e horário: 26/06 - 15h30 às 17h30


Programação completa do 1º Festival Internacional de Cinema Fantástico - SP Terror:


Quinta 25/06
Sala 4
21h - Abertura do festival - Sessão para convidados
Halloween
Dir. Rob Zombie - EUA - 2007

Sexta 26/06

Sala 3
17h - Yesterday
Dir. Rob Grant - Canadá - 2008

19h - Strange Girls
Dir. Rona Mark - EUA - 2008

21h - Eden Log
Dir. Franck Vestiel - França - 2007

23h - Pervert
Dir. Jonathan Yudis - EUA - 2005

Sala 4
17:30h - 36 Passos
Dir. Adrian Garcia Bogliano - Argentina - 2007

19:30h - Os Aparecidos
Dir. Paco Cabezas - Espanha - 2008

21:30h - Bicho
Dir. Vitor Brandt - Brasil - 2008
Os Descendentes
Dir. Jorge Olguín - Chile - 2008

Sábado 27/06
Sala 3
17h - Mamá
Dir. Andy Muschietti Espanha - 2008
O visitante de inverno
Dir. Sergio Esquenazi - Espanha/Argentina - 2008

19h - Deixe Ela Entrar
Dir. Tomas Alfredson - Suécia - 2008

21h - Zombeer
Dir. Barend de Voogd e Rob van der Velden - Holanda -2008
Humanos
Dir. Jacques-Olivier Molon e Pierre-Olivier Thevenin - França - 2009

23h - Sex Galaxy
Dir. Mike Davis - EUA - 2008

Sala 4
17:30h - Porto dos mortos (prévia)
Dir. Davi de Oliveira Pinheiro - Brasil - 2009
Mangue Negro
Dir. Rodrigo Aragão - Brasil - 2008

19:30h - Eden Log
Dir. Franck Vestiel - França - 2007

21:30h - Deadgirl
Dir. Marcel Sarmiento e Gadi Harel - EUA - 2008

Domingo 28/06

Sala 3
17h - O jardim dos Enjeitados
Dir. David Covo Camacho - Cuba - 2007
Matadores de Vampiras Lésbicas
Dir. Phil Claydon - Reino Unido - 2009

19h - Yoroi: Zumbi Samurai
Dir. Tak Sakaguchi - Japão - 2008

21h - O Gigante do Japão
Dir. Hitoshi Matsumoto - Japão - 2007

Sala 4
17:30h - O proprietário
Dir. Javier Diment e Luis Ziembrowski - Argentina - 2008

19:30h - Strange Girls
Dir. Rona Mark - EUA - 2008

21:30h - Landau 66
Dir. Fernando Sanches - Brasil - 2008
Fim da Picada
Dir. Christian Saghaard - Brasil - 2008

Segunda 29/06
Sala 3
17h - Mamá
Dir. Andy Muschietti - Espanha - 2008
O visitante de inverno
Dir. Sergio Esquenazi - Espanha/Argentina - 2008

19h - Bicho
Dir. Vitor Brandt - Brasil - 2008
Os Descendentes
Dir. Jorge Olguín - Chile - 2008

21h - Strange Girls
Dir. Rona Mark - EUA - 2008

Sala 4
17:30h - Yoroi - Samurai Zumbi
Dir. Tak Sakaguchi - Japão - 2008

19:30h - O proprietário
Dir. Javier Diment e Luis Ziembrowski - Argentina - 2008

21:30h - Eden Log
Dir. Franck Vestiel - França - 2007

Terça 30/06
Sala 3
17h - Curtas Crypt Show
Catalunha/Espanha

19h - Yesterday
Dir. Rob Grant - Canadá - 2008

21h - Sex Galaxy
Dir. Mike Davis - EUA - 2008

Sala 4
17:30h - O jardim dos Enjeitados
Dir. David Covo Camacho - Cuba - 2007
Matadores de Vampiras Lésbicas
Dir. Phil Claydon - Reino Unido - 2009

19:30h - 36 Passos
Dir. Adrian Garcia Bogliano - Argentina - 2007

21:30h - Porto dos mortos
Dir. Davi de Oliveira Pinheiro - Brasil - 2009
Mangue Negro
Dir. Rodrigo Aragão - Brasil - 2008

Quarta 01/07

Sala 3
17h - Bicho Dir. Vitor Brandt - Brasil - 2008
Os Descendentes
Dir. Jorge Olguín - Chile - 2008

19h - Deadgirl
Dir. Marcel Sarmiento e Gadi Harel - EUA - 2008

21h - Deixe Ela Entrar
Dir. Tomas Alfredson - Suécia - 2008

Sala 4
17:30h O Gigante do Japão
Dir. Hitoshi Matsumoto - Japão - 2007

21h - Zombeer
Dir. Barend de Voogd e Rob van der Velden - Holanda -2008
Humanos
Dir. Jacques-Olivier Molon e Pierre-Olivier Thevenin - França - 2009

21:30h - Os Aparecidos
Dir. Paco Cabezas - Espanha - 2008

Quinta 02/07

Sala 3
17h - Curtas Crypt Show
Catalunha/Espanha

19h - Sessão de encerramento do festival Golem e Gary Lucas -
Dir. Carl Boese e Paul Wegener - Alemanha - 1920

Fonte: Terra

terça-feira, 16 de junho de 2009

Dica do Dia


Imperdível este blog: Horror Movies. Feito por um fã, para o fã, só tem filmes de terror, dezenas deles, legendados, dublados,
clássicos, novos, 'B', consagrados, verdadeiras raridades, e o melhor de tudo: todos disponíveis para download. Cito alguns: Zombie (de Lucio Fulci), The Toxic Avenger, Re-Animator, A Noiva do Re-Animator, A Noite dos Mortos-Vivos (o original e a refilmagem), A Volta dos Mortos-Vivos 2 e 3, Alligator, Palhaços Assassinos, Plan 9, A Morte do Demônio (Evil Dead), Creepshow 1 e 2, It, Rock do Dia das Bruxas, Blood Feast (de Herschel Gordon Lewis), Colheita Maldita 1 e 2, vários Sextas-Feiras 13, Fome Animal, REC, Encarnação do Demônio, Jogos Mortais e suas sequências, o Albergue... diabos, por que ninguém nunca me falou desse blog? É uma jóia rara.

O link já está adicionado. Fãs do gênero tem obrigação de conhecê-lo. Bem, bem, vocês ainda estão aqui?... Aos filmes, pois!

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Feliz Aniversário, Kane Hodder


Hoje, 8 de abril, Kane Hodder, o melhor Jason que o Crystal Lake já viu, completa 54 anos. A melhor homenagem que posso fazer é revê-lo em ação, no insuperável Sexta-Feira 13 Parte 8, Jason Ataca em Nova York, o filme no qual o assassino da máscara está, sem sombra de dúvida, mais alucinado. O cabra chuta rádios, chuta portas de vidro, degola gente com um único soco, joga nova-iorquinos longe, e não está nem aí... A dublagem nacional (da Globo) foi outro show à parte. Falas como "Ah, vai morrer, cumpádi" tornaram-se folclóricas, para quem viu. Jason até mesmo solta um "Oii" rouco, na parte em que ele mata o McCulloch. Um pequeno tributo:





E aqui, uma paródia da cena mais memorável de todos os Sexta-Feira 13. Divirta-se:



Jason Lives!


sexta-feira, 27 de março de 2009

Trecho do conto "A Mais Longa das Noites"


"Roger viu coisas incríveis naquela noite... coisas que sequer em sonhos imaginaria se estivesse em outra ocasião. Carros de polícia passavam, à toda, o motor trovejando rua abaixo, a sirene ligada, de certo modo gritando, deixando um rastro da sujeira das ruas que iam atrás deles, impelidas pelo vento. Um grupo de adolescentes bêbados que lotavam uma caminhonete, esta gingando de um lado para o outro da rua, não a mais de 30 por hora, e a gritaria dos jovens, que rompia o silêncio da madrugada. Pernas e braços empunhando armas como rifles de caça amontoavam-se para fora das janelas da caminhonete. Um deles jogou uma lata de cerveja em Roger, mas ela quase nem chegou na casa; bateu no muro e ricocheteou. Roger nem se mexeu do lugar; olhou só. Sumiram após a esquina, com gritos empolgados e alcoolizados de quem já tinha passado da conta na bebida. Furgões de emissoras de TVs, indo para reportagens ao vivo. Um fotógrafo viu Roger e bateu uma foto dele parado, com a arma no ombro, fumando, em frente à entrada, parecendo um guardião da casa. Essa foto iria sair na primeira página do jornal do cara no dia seguinte, apenas com a seguinte manchete: SOBREVIVENTES. Roger também às vezes ouvia tiros, de muito, muito longe, os sons trazidos pelo vento frio da madrugada. O espocar como traques de revólveres 38, um ruído mais surdo das automáticas, o troar das escopetas e rifles, e, uma ou duas vezes, ouviu (ou pensou ter ouvido) rajadas de metralhadora.

Pouquíssimas pessoas passavam na rua, que incrivelmente desta vez estava mais calma que de costume. Essas pessoas mal olhavam para Roger quando passavam, apressadas. Queriam chegar em casa logo essa noite, pensou Roger. Queriam chegar em casa, preparar um café bem forte, tomar um banho, ou sentar no sofá com a luz do abajur acesa, e achar que tudo aquilo era um pesadelo.

"Mas não é", logo suspirou Roger."

quinta-feira, 5 de março de 2009

Sexta-Feira 13, resenha


Finalmente, fui assistir o novo Sexta-Feira 13 em cartaz nos cinemas. E o filme surpreendeu-me. Para melhor.

Esqueçam aquele post onde comentei sobre as
especulações pré-estreia. Esqueçam aquela história de prequels e remakes mal-ajambrados. Esqueçam aquele ator mirim dos boatos, ele nem mesmo participa. Fui assistir o filme meio que desconfiado e voltei surpreso. É um Sexta-Feira 13 típico!!! Muito sexo, drogas e mortes (14 no total, excelente contagem pra Slasher nenhum botar defeito). A lamentar apenas a ineficiência do Cinemark na doceria. Não conseguiram dar conta de um público pequeno (e por falar, como estão caros os preços do Combo, hein!)

Mas continuemos: para quem ainda quiser assistir, pare de ler aqui. Para os mais curiosos, digo que o começo é meio confuso e somente aí se faz alguma menção ao passado de Jason. Mostra a cena (refilmada, com outros atores) em que a última sobrevivente da matança do 1º filme enfrenta e acaba por decapitar Wilma Voorhees, a mãe de Jason. As palavras de sua querida mamãezinha ecoam no ar: "Mate por mim, Jason. Eles quase deixaram você se afogar. Mate pela mamãe" (nessa hora eu pensei, "virge", agora o conflito é Freudiano...) Volta para o presente, onde 5 garotos, uns em busca de uma plantação de maconha, outros apenas acampando, voltam ao antigo Acampamento Crystal Lake. Desnecessário dizer que "ele" volta, sem muita explicação, usando, ao invés da tradicional máscara de hóquei, faixas no rosto! Mais tarde, ao fazer outra vítima em um galpão, ele encontra uma máscara de hóquei, coloca na face, dá uma ajeitada, vê que lhe cai bem e sai, pronto para matar. Uma tentativa de se "reescrever a história", pois originalmente ele adquire a sua famosa máscara no 3º filme da série, num furgão de uma gang punk.

O filme continua, com outro personagem - o irmão de uma das desaparecidas do grupo anterior - à procura de sua irmã, nos arredores do Crystal Lake. Ele acaba por encontrar outro grupo de jovens que estão se dirigindo para lá, pois o pai de um deles tem uma cabana na região. Desnecessário dizer que o incansável Jason não para com as mortes, algumas bem criativas, outras até cômicas
(atente para a cena em que Jason "fisga" uma vítima debaixo de um píer do lago), usando vários tipos de armas, como por exemplo um arco e flecha desses de acampamento americano, para acertar, de longa distância, um descuidado que andava de lancha no Lago Cristal (o que levou um espectador algumas fileiras atrás de mim soltar um estupefato "Caraca!!!..."), um pouco antes da cena da "fisgada". Algumas sequências de mortes poderiam ser menos "videoclipadas" - verdadeiro vício do Terror atual - com menos cortes de câmera e mais explicitação. Porém isso não acaba compromentendo o resultado final. Talvez, para o filme poder sair para uma audiência maior, tem que passar pelo crivo da censura americana, que veta cenas mais fortes (coisa muito comum). Quem sabe mais adiante não teremos um DVD com cenas deletadas?

Os únicos boatos que se confirmaram, exceções à regra, foram de que Jason correria, ao invés de andar rápido (apenas em uma cena - saudades de Kane Hodder...), e de que ele não usaria luvas. O final tem algumas cenas já vistas antes em outros filmes da série (fãs da 6ª parte devem se lembrar que isso não dá certo...) e eu achei meio "forçado", mas o filme cumpriu o seu papel, que é o entretenimento de terror. Outra novidade, além dessas já citadas e do "Jason Sem-Máscara" no começo do filme, é que ele agora "mora" em uma das cabanas do acampamento, em contrapartida a uma cabaninha no meio dos bosques como era antigamente, e transformou-a num claustrofóbico antro, com passagens estreitas, armadilhas, e até um "cantinho da mamãe!"

Vale uma segunda conferida. Afinal de contas, o que nós, fãs, podemos querer mais? Tem tudo o que um Sexta-Feira 13 tem, aquelas transas que o Jason adora interromper (obrigado, Guilherme de Martino!), drogas nas mãos de jovens "cobaias" e mortes, muitas mortes! Um clássico, um característico Sexta-Feira 13. Fãs da série não vão se decepcionar. E faça-se justiça: depois dele, não sobra mais nada - apenas aquela música inesquecível: ki-ki-ki-ki, ma, ma, ma, ma...

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Vestindo a camisa





Já pensou uma dessas, só pra ver a estreia do novo Sexta-Feira 13 nos cinemas?

Achada aqui: 80's Tees.com. Entregam pra tudo quanto é país. A dica foi do Yahoo Brasil, ontem. Mas convenhamos: pagar uma fábula só de frete, por uma camiseta, aham, é de matar. Melhor movimentar a economia daqui mesmo e eles que se resolvam com a crise lá fora... uma garimpada por aí e você acaba achando igual por 10 pilas, fácil, fácil.

domingo, 25 de janeiro de 2009

São Paulo - poesia concreta


Peço vênia aos leitores deste blog para inserir, neste 25/01, aniversário da minha querida Sampa, uma poesia que fiz sobre a cidade em 2002 e que entrou, reduzida, na coletânea São Paulo - Uma Metrópole de Palavra, de vários autores, da Ed. Litteris. A versão original, que aqui apresento, é longa, mas nada que demore 455 anos. Aqui está, pois:


Da alta floresta verde que vejo no alto

Do prédio do Banespa,

À floresta cinza de aço e concreto que observo

Abaixo e à frente

Contemplo o Centro

Cidade de São Paulo

Templo:

Econômico

Industrial

Cultural

Multirracial

Multinacional

Quase religioso, quase uma religião

Para mim.

São Paulo, sinto-a

Inteira, vendo-a daqui de cima

Como um general olhando para uma cidade dominada

Que, se Deus quiser,

Não será dominada jamais!

Mas sim dominante, sempre.

(Nom dvcor, dvco)

Do Viaduto do Chá (que vejo),

Outrora passeava o café

e seus barões

Na Barão

De Itapetininga

(que é logo ali, em frente)

E também observo, enlevado

Como num sonho, extasiado

O verde vale do Anhangabaú

Um oásis no meio de uma miragem real

Feita de cimento e asfalto.

(e um revoar de pombos jubila-me a alma)

Dali, vou até o "Theatro Mvnicipal"

O melhor palco

No maior dos cenários

(Do Brasil!)

Não sem antes ver o monumento

E atravessar a Rua Xavier de Toledo

Saudado por uma multidão de motoboys.

Do "Theatro" à 24 (de Maio)

É um pulo

Com coturno

Em outro templo

Desta vez, do Rock And Roll

Como um pombo imaginário,

Tal qual daqueles que sobrevoaram

O Vale do Anhangabaú dos meus sonhos

Eu também dou um rasante

Na Galeria do Rock:

Punk Rockers, Headbangers e até mesmo Rock-A-Billy's

Vão ali para se saciar

Bebendo água da mesma fonte.

Dou uma guinada à direita, e mais

Um pouco à frente

Vejo nosso "Empire State Building"

O (outro) prédio do Banespa

Orgulho Paulistano

(e do Banco Santander...)

À esquerda, o Mosteiro de S. Bento

Lugar dos sagrados Cantos Gregorianos

Paz e tranquilidade perto do Marco Zero

O Pátio do Colégio



Catedral Metropolitana

Metrô

R. Direita

Largo de S. Francisco (onde ele estudou)

Bolsa de Valores

Ih, meu, é tanta coisa, tanta coisa

Tantos lugares aonde ir

E coisas a fazer

Que o poeta até fica sem fôlego

Para descrever tudo que quer ver.

Volto para onde estava

Me espremo um pouco à direita de onde estava

E consigo divisar o relógio do Itaú

Que me alertou: já são sete e dez de vésper,

Vinte e um graus

- anoitece!

São Paulo by night

Noite agradável de agosto

Na cidade divinal

Que nunca dorme.

(lugar das grandes farras!)

E nessa mesma direção observo

Abaixo, a Avenida 9 de Julho

E acima, agulhas pulsantes de metal

Que me fazem sorrir em pensamento:

Lá é a Avenida Paulista...

"Onde as torres apontam o céu

E nossos espíritos são livres".

E assombro-me

Ao ver a multidão lá embaixo (de dia):

Um frêmito de entusiasmo e orgulho

Percorre todo o meu corpo,

Ao sentir a verve adrenalínica

Que existe nas veias dos paulistanos

E nas ruas da cidade,

Em alto contraste e em alto relevo

Com os seus desérticos paços verspertinos.

(A sirene de uma viatura solitária

e o efeito Dooooooooppler...)

São essas pessoas

Sistema circulatório da cidade

Que fazem a vida acontecer

Lá embaixo

Com seus dramas, paixões,

Grandes romances

E alguns colóquios

Lícitos ou ilícitos

Que começaram assim

Singelos

Como esta poesia

(E também como alguns namoros, he he!)

Por fim, olho para o céu

Firmamento já nublado, garoando

Tipicamente paulistano

E sorrio, feliz (pensando e divagando):

"Vejo a minha cidade

A Cidade de São Paulo

Que agora jaz aos meus pés, inerte

Da janela do Hotel Othon Palace

Quarto 1607".

---------------------------------------------

E para não perder o costume, vejo que Tobe Hooper, o aclamado diretor, completa hoje 66 anos. Seu segundo filme já foi "O Massacre da Serra Elétrica", um puta clássico, insano, que foi censurado na época, mas inspirou dezenas de outros. Depois vieram Eaten Alive, Funhouse e a consagração com "Poltergeist" (junto com Spielberg). Outros filmes incluem "Trilogia do Terror" (Body Bags), "Mangler - O Grito de Terror", além de episódios de Contos da Cripta, Freddy's Nightmares e Amazing Stories. De acordo com o IMDB, Tobe Hooper neste ano está filmando From A Buick 8, um filme baseado numa obra de Stephen King (aqui no Brasil o título foi abreviado para Buick 8). Neste vai ter que se esforçar, pois o livro não é dos mais inspirados de SK. Mas esta é uma característica de Tobe Hooper: ele nunca se desviou do Terror e do cinema fantástico, ao contrário de outros, como Peter Jackson, que fez memoráveis splatters como "Fome Animal" e "Trash - Náusea Total" e logo depois foi sugado pelo esquemão dos grandes estúdios, praticamente abandonando o gênero. Vida longa à Tobe Hooper!


sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Wednesday 13 - "Till Death Do Us Party"


Whoooa, ooo,
whoooa, ooo, whoooa, ooo,
Whoooa, ooo, whoooa, ooo, whoooa, ooo

It's Friday, and everything is great
And my stupid friends got a dumb idea
Gonna go down to the lake
And we don't care about the stories we've heard
And we're too damn dumb to realize
That we're never going to return

And soon enough we're gonna meet Voorhees
We might as well write it on our heads
Come and kill us please

Hey you don't be late
Till death do us party right here on Crystal Lake

Hey you don't be late
Till death do us party right here on Crystal Lake


Whoooa, ooo, whoooa, ooo, whoooa, ooo

We got everything that we need
Let's go skinny dipping
Drink some beer and don't forget the weed
And have your brain at the door
'Cause where we're going
You won't even need it anymore

And soon enough we're gonna meet Voorhees
We might as well write it on our heads
Come and kill us please

Hey you don't be late
Till death do us party right here on Crystal Lake

Hey you don't be late
Till death do us party right here on Crystal Lake


We couldn't have planned it better
If we tried
We got nothing to lose, but our lives
T & A and an early grave
Well sigh me up
Now Jason's here in the nick of time
To fuck us all up

Hey you don't be late
Till death do us party right here on Crystal Lake


Hey you don't be late
Till death do us party right here on Crystal Lake

----------------------------------------------------

Olha, a letra é excelente. Essa música poderia ser usada em algum filme de terror...

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Jason, a "evolução"




Ainda sobre o Sexta-Feira 13, aqui estão todas as 'fases' de J. V., desde o 1º filme (no qual a mãe dele era a assassina) até Jason X - o tal do Über-Jason.

Prefiro o "3º Jason" (o primeiro onde ele usa a famosa máscara de hóquei) e o 6º (ainda sem Kane Hodder), com ligeira vantagem para este último. Qual o seu preferido?

A musa. A amante. A deusa



ASIA. ARGENTO.






Sorry, patroa.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Sexta-Feira 13, parte 11



Pois é, meus amigos. Jason "Vurres", filho de Wilma "Vurres", irá voltar, numa sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009. Pelo que dizem, o filme não levará em conta o pífio e patético último episódio da série (o 'mudernoso' Jason X) e voltará ao Crystal Lake. Porém, o filme contará a vida de Jason antes dele ser o infame assassino da máscara de hóquei. Ou seja, outra prequel (arrrrghhhh!!!!). Essa foto acima já é do filme.

E Jason, infelizmente, não será interpretado por Kane Hodder, para desapontamento dos seus fãs, eu, inclusive (se bem que ele já está com 53 anos). Outras curiosidades? Jason voltará a mostrar as mãos (em alguns filmes elas eram cobertas por luvas) e irá CORRER (!) atrás das vítimas, ao invés de andar rápido, como sempre fazia. O ator-mirim que interpretará Jason quando pequeno, pelo que deu para ver da foto, é idêntico, coitado.



Será que essas informações irão se confirmar? É esperar pra ver. Apesar de toda a minha ojeriza já escancarada por prequels e coisas do tipo (como remakes mal-ajambrados), seria insensato de minha parte criticar um filme que nem ao menos estreou. Só depois poderei dizer minha opinião com mais consistência. Falando nisso, será que
My Bloody Valentine 3-D ( remake em 3ª dimensão de "Dia dos Namorados Macabro") é bom? Por essas bandas só chegará em 13 de março.

No mais, Jason voltou, meus amigos. Estamos fritos.



Informações e fotos pesquisadas do Google aqui.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Corujão


Filme de ontem: "Psicose IV - A Revelação". Tem bons momentos, aqui e acolá, e a
presença sempre forte de Anthony Perkins, num de seus últimos filmes. Mas neste, o foco é mais na relação que Norman Bates tinha com sua mãe, interpretada por Olivia Hussey (a Audra de It). O final é meio decepcionante, e o resultado é morno. Pode ser considerado uma prequel de Psicose. Acho que já falei tudo...

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Não nos deixam


Vai o sujeito alugar filmes de terror. Na cabeça, planos mirabolantes de uma sessão com pipocas, refrigerantes, risadas, sustos e a garota que ama do lado. Sai de casa esperançoso, o dia está frio, nublado, excelente para um filme de terror debaixo das cobertas. O vento gelado bagunça seus cabelos; ele para, arruma o penteado no método dez dedos e acende um cigarro, já de novo a caminho da locadora. As ruas estão vazias e silenciosas, e ele canta uma canção baixinho, esperando mentalmente as delícias de um novo filme, se tiver muito sangue e vísceras melhor, pensa ele. Olha para as nuvens por um instante, procura chuva, mas não há sinais de precipitação. E segue caminhando.

A locadora fica a alguns quarteirões, numa esquina. O sujeito olha para os dois lados antes de atravessar, mas não vem carros. Tanto melhor. Apressa-se, ansioso, apaga o cigarro e o joga num desse lixos de rua com um rápido movimento dos dedos.

Entra na locadora. Vai direto na seção marcada"Suspense", mas
o sujeito não tem pressa; é metódico. Por que eles insistem em colocar "Suspense" se os filmes são de Terror, medita ele, pensando em diferenças fundamentais. Olha título por título, e pretende alugar muitos filmes. Toneladas deles. Bem, pelo menos uns seis, para uma sessão madrugada adentro. Era o que adorava fazer.

Finalmente, ele se decide. Vai pegando as capas, dá uma olhada no resumo na parte de trás, e vai ajeitando-as sob o braço. Ele exulta discretamente, relanceia os olhos uma última vez para as prateleiras, vendo se não esqueceu de algum, e vai para o caixa com um leve sorriso nos lábios, a grana já no bolso. É só felicidade.

Lá, uma coisa o faz perder totalmente o sorriso e a vontade de diversão: a funcionária do caixa, com uma expressão de gerente de banco que não cede empréstimos, não permite o sujeito levar aquela batelada de filmes. O motivo? É a sua primeira retirada ali naquela locadora. Ele só poderá alugar Apenas Dois. Se quiser. O sujeito acabrunha-se, a sessão perdida, a pipoca e os refrigerantes distantes. Não é a mesma coisa. De maneira nenhuma. Nunca será. Bate a decepção.

Esse sujeito sou eu.

Em nenhum outro tipo de estabelecimento comercial você é restringido a comprar, na sua primeira estada. E também não devia ser em um lugar que você faz uma ficha com seus dados pessoais. Sim, eu sei que é uma questão de segurança, embora não entenda direito, pois um ladrão não se importaria de levar um e logo na segunda vez levar quantos quiser, já que para isso ele precisou fornecer informações, e mesmo que fossem falsas, a locadoria ficaria desfalcada de qualquer jeito. Sim, eu sei que é uma questão de confiança recíproca, você aluga pouco, você devolve, eles acreditam em você, e nada proíba que uma pessoa possa alugar muitos e não devolver na segunda vez.
E se é prestação de serviços, por que não prestam o serviço direito, autorizando o cliente a alugar quantos pequenos prazeres quiser? Além do mais, algumas lojas cobram os olhos da cara e você fica pouco tempo com os DVD's.

Eu sei de tudo isso. Mas mesmo assim é chato, oras.

Sei lá. Às vezes acho que faço uma tempestade em copo d'água. Que me irrito por pouco. Pode ser. Quem sabe.

Eu queria levar, mas não nos deixam levar quantos quiser da primeira vez. Eles lucrariam com isso, mas não deixaram.
Paciência. Eu só queria saber o porquê, um motivo mais razoável. Não gostei. Não gosto disso. Enfim. Vida que segue. Fui embora da locadora. No caminho de volta, a garoa cai.

Porque há remakes e remakes...


Antirrefilmagens - sim, essa já pode ser com as novas regras - para clássicos do Horror. Ponto. Nenhuma em especial, só estou afirmando. De cabeça, lembro de uma boa: "A Noite dos Mortos-Vivos", de 91, remake quase cena por cena do original de 68. De resto, mais nada.

Prequels (pré-sequências, como Exorcista - O Início), idem.

Prefiro os originais.

Ah, essa nova ortografia...


Como ficará? Mortos-Vivos, Mortosvivos, Mortos Vivos?... Bom, até sair o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP), previsto para fevereiro, fiquemos ainda com Mortos-Vivos. Malditos hífens...